Onda Sul FM

Gripe já matou 11 pessoas em Minas Gerais neste ano

A campanha de vacinação foi prorrogada em todo país até 15 de junho. As doses estão disponíveis, para o público-alvo, em todas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Os casos de gripe provocados por Influenza continuam crescendo em Minas Gerais neste ano. O número de pessoas que tiveram a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocadas pelo vírus já chega a 81. Do total, 11 pacientes não resistiram aos sintomas. A maioria dos moradores foram acometidos pelo H3N2, que provocou a pior temporada de influenza nos Estados Unidos dos últimos nove anos. A melhor forma de proteção é por meio da vacinação. A campanha foi prorrogada em todo país até 15 de junho. As doses estão disponíveis, para o público-alvo, em todas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado na tarde desta terça-feira pela Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG), dos 81 casos de pacientes que foram acometidos por Influenza, 42 foram de Influenza A/H3 Sazonal, 11 por H1N1,  24 de Influenza A não subtipado, além de quatro por Influenza B.

O vírus H3N2 foi o responsável pela morte de quatro pacientes. Eles moravam em Vespasiano, na Grande BH, Coronel Fabriciano, no Vale do Aço, Diogo Vasconcelos, na Região Central, e Paraguaçu, no Sul de Minas. Já o H1N1, fez uma vítima em Belo Horizonte. Cataguases e Ubá, na Zona da Mata, e Uberlândia, no Triângulo Mineiro, tiveram uma morte cada por Influenza A não subtipado. Leopoldina, na Zona da Mata, teve duas pelo mesmo vírus. Já um morador de Visconde do Rio Branco, da Zona da Mata, morreu depois de ser acometido pelo Influenza B.

Vacinação


Moradores de Minas Gerais terão até 15 de junho para se vacinar. A cobertura vacinal da população mineira já superou 73,5%, mas ainda abaixo da média esperada. Cada dose protege contra os principais vírus que circulam pelo território nacional.

As doses que compõem a campanha de vacinação estão disponíveis pelo SUS para crianças de 6 meses a 5 anos; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade em medidas socioeducativas; gestantes; mulheres até 45 dias depois do parto; mulheres e homens com 60 anos ou mais; trabalhadores da área de saúde; povos indígenas; pessoas privadas de liberdade; portadores de doenças crônicas e outras condições clínicas especiais que comprometam a imunidade; e professores de escolas públicas ou privadas.

Via EM
Faça seu comentário usando o Facebook
© 1999-2018 ONDA SUL - A RÁDIO DO SUL DE MINAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS / IA EMPRESA
WhatsApp chat