Café deve ter alta de quase 25% até o fim do ano

Compartilhar

Uma pesquisa da Reuters com analistas demonstrou que o preço do café vai subir quase 25% até o final de 2019. Isso deve ocorrer pois a mudança para uma safra bianual de baixa produção deve levar a oferta global a registrar déficit.

A projeção feita pelos participantes é de 1 milhão de sacas de 60 kg na safra mundial 2019/2020. Em comparação, as expectativas de um superávit são de 4,25 milhões de sacas para 2018/19.

Dessa forma, o preço do arábica deve ser elevado para US$ 1,25 por libra até fim de 2019. Isso representaria 24,8% acima do fechamento de segunda-feira (11).

“Os preços do arábica devem encontrar algum apoio pelo fato de que 2019/20 está programado para ser de baixa produção no Brasil”, disse Caroline Bain, analista da Capital Economics.

O Brasil, maior produtor do mundo, deve alcançar 55 milhões de sacas na safra 2019/20. O resultado tem pouca alteração com o que era anteriormente previsto.

O declínio apresentado por esse resultado é de 8,3% em relação à safra 2018/19. O tamanho recorde da safra ajudou a empurrar o valor do café para um mínimo de US$ 0,92 por libra, em setembro. O valor foi o mais baixo em quase 13 anos.

Os preços ficaram muito abaixo do custo de produção em diversos países. Isso forçou alguns produtores a investirem menos em suas fazendas; segundo um analista, isso começará a se traduzir em menor produção global em 2019/20.

O desempenho do real brasileiro também deve continuar influenciando os futuros de arábica.

Preço é afetado pela política

Os preços do arábicas se firmaram ao lado do real nas semanas que antecederam as eleições presidenciais brasileiras em outubro. Assim, isso continua acompanhando o desempenho da moeda. Um real mais forte pode desencorajar as venda dos produtores de commodities denominadas em dólar, como o café.

Os analistas também estão de olho na política brasileira, especialmente o potencial para novos preços mínimos de compra ou redes de segurança para os cafeicultores do país. Tais mecanismos “poderiam ajudar a apoiar o mercado e também remover suprimentos exportáveis do mercado mundial”, disse Shawn Hackett, presidente da Hackett Financial Advisors.

A perspectiva geral é um pouco semelhante para o robusta. Usado principalmente para café solúvel ou adicionado aos blends por ser mais barato. Os preços do robusta devem subir para 1.775 por tonelada até o final de 2019, um aumento de 16% em relação ao fechamento de segunda-feira, segundo a pesquisa LRC.

A produção no Vietnã, maior produtor mundial de robusta, foi estimada em 29,75 milhões de sacas em 2019/20. Em grande parte no mesmo patamar das estimativas de produção para 2018/19.

“A demanda deve ser mais que suficiente para absorver a alta produção de robusta, já que o mercado de café solúvel se expande para os mercados emergentes”, disse Caroline, da Capital Economics.

Faça seu comentário usando o Facebook