Ciclista é atingido ao bater em carro

Compartilhar

Um acidente entre um carro e ciclista deixou uma vítima na última sexta-feira, 21, em Alfenas, no Sul de Minas Gerais. Segundo o Corpo de Bombeiros, os dois se chocaram na Avenida Henrique Munhoz Garcia, no Bairro Jardim Esperança.

A vítima é um ciclista de 55 anos. No momento do acidente, ele ficou deitado ao chão e apresentava sangramento na cabeça. Os militares prestaram os primeiros socorros e, em seguida, conduziram a vítima ao hospital da cidade.

Nos últimos 30 dias, foram registrados dois casos de acidente envolvendo ciclistas em Minas Gerais, o que reacende a discussão sobre a segurança nas vias do estado. No último sábado (15), uma mulher de 55 anos que estava em uma bicicleta foi atropelada no Condomínio Alphaville, em Nova Lima, na Grande BH, e morreu por causa dos graves ferimentos. Esses acidentes servem de alerta para as pessoas utilizarem os devidos equipamentos de segurança ao pedalar, segundo um médico ouvido pelo Estado de Minas.

O neurocirurgião Rodrigo Faleiro, que trabalha no Hospital Pronto-Socorro João XXII, em BH, e mora no Alphaville, prestou os primeiros atendimentos à mulher ao lado de outra médica. Segundo ele, se a ciclista estivesse com capacete, ela teria mais chances de escapar do acidente com vida.

“No caso da senhora de 55 anos, ela teve fratura craniana. Cheguei lá e já uma outra mulher, também médica, estava prestando algum socorro. Conseguimos estabilizar até o Samu chegar. Acho que um capacete faria muita diferença, poderia ter mudado o rumo das coisas, porque deve ter batido a cabeça direto no meio fio”, disse o médico, ao Estado de Minas.

No fim de julho deste ano, um ciclista também foi morto em Nova Lima, atropelado por um caminhão. Rodrigo Faleiro alerta para o uso dos equipamentos sempre que possível, e pontua que percebeu um aumento das bicicletas durante o período de pandemia do novo coronavírus.
Aumento de bikes
“Temos notado muita gente comprando bicicleta nesse período de pandemia. No Alphaville mesmo, sempre que passo pelas ruas, percebe-se o aumento das bikes. Vemos pessoas sem itens de segurança, que é principalmente o capacete, que faz toda a diferença”, afirmou.

O médico também faz outras recomendações. “No dia seguinte mesmo, domingo, vi várias pessoas sem capacete. Além disso, a bike deve ir na mesma via e no mesmo sentido que os veículos, nunca na contramão, e sempre à direita. Outro cuidado é que, nas subidas, costuma-se fazer zig zag, isso pode causar atropelamento. Também tem que conhecer o básico das regras de trânsito, usar ciclovia sempre que for possível. E os motoristas também têm que se prevenir, dirigir para os outros”, completou.

 

Fonte: Estado de Minas
Faça seu comentário usando o Facebook