Coronavírus: para desenvolver os testes rápidos, pesquisadores da UFMG pedem R$ 1,5 milhão em doação

Compartilhar

Em razão do novo coronavírus, os pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), já começaram a desenvolver novos testes rápidos para diagnosticar o Covid-19. Tal iniciativa pode originar no primeiro teste a ser criado no país.

O intuito dos pesquisadores da universidade é criar um teste com o menor custo possível. De acordo com o professor e coordenador do projeto, Rodolfo Giunchetti, o objetivo deste teste rápido é que o custo seja de até R$ 5 por paciente. Sendo que, atualmente, se feito em uma clínica particular na cidade de Belo Horizonte, o teste para detectar o Covid-19 pode chegar a R$ 300.

O início da pesquisa só foi possível porque há reagentes no laboratório mas, eles não são suficientes para a conclusão dos testes. Para isso, os pesquisadores estão pedindo a doação de R$ 1,5 milhão para que o projeto continue sendo executado. Com isso, em pelo menos 60 dias eles estejam disponíveis. Na tentativa de arrecadar o valor, os envolvidos estão arrecadando doações pela internet.

Várias outras universidades pelo Brasil também tentam desenvolver um teste rápido para que o governo federal deixe de depender de outros países. Para o professor Giunchetti, uma tecnologia nacional nos deixaria em uma situação mais confortável em relação a dependência externa.

A expectativa é que um milhão de testes por meses seriam possíveis, caso a pesquisa receba investimentos.

Faça seu comentário usando o Facebook