Coronavírus: UFMG aguarda Johnson & Johnson para começar testes com vacina

Compartilhar

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) está à espera de uma definição da norte-americana Johnson & Johnson para determinar qual será a data de início dos testes da vacina contra o coronavírus em Belo Horizonte. A incerteza emerge após a farmacêutica ter anunciado nessa segunda-feira (12) a suspensão temporária do estudo depois que um voluntario adoeceu – sabe-se apenas até o momento que ele apresentou uma “doença inexplorada”. Enquanto não há definição, a UFMG mantém aberto o pré-cadastro de interessados em participar dos testes com a vacina da Johnson & Johnson. Até agora, cerca de 25 mil pessoas cadastraram-se na Faculdade de Medicina.

A interrupção dos testes com a vacina da farmacêutica norte-americana contra a Covid-19 foi comunicada na segunda-feira e deve-se ao aparecimento de sintomas inexplicáveis em um dos participantes do estudo. A companhia declarou que o comitê independente de segurança será convocado para analisar o que aconteceu com o voluntário, mas esclareceu que efeitos adversos sérios são “uma parte esperada de qualquer ensaio clínico”.

Em relação à suspensão, a Faculdade de Medicina da UFMG reforçou que realmente trata-se de uma situação comum no atual estágio em que o estudo se encontra e “mostra que a avaliação e vigilância dos efeitos adversos nos participantes está funcionando”, declarou em nota. Frente a interrupção dos estudos, a data de início dos testes com a vacina da Johnson & Johnson na UFMG será definida apenas após comunicação oficial do comitê responsável pela reação adversa ocorrida no participante doente. A universidade também aguarda uma recomendação de como o estudo deverá seguir.

Pré-cadastro será mantido

Apesar da interrupção, a UFMG manterá aberto o pré-cadastro de voluntários para os testes com vacinas contra o coronavírus que, até o momento, recebeu mais de 25 mil inscrições. Entretanto, de acordo com a própria universidade, estes candidatos selecionados serão submetidos a estudos de produtos contra a Covid-19 desenvolvidos por diferentes empresas. Interessados em se candidatar precisam ser maiores de 18 anos. Basta responder o questionário on-line feito pel UGMG como pré-triagem, e indicar através dele se há possibilidade de comparecer ao Hospital das Clínicas, onde será feita a aplicação da vacina. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (31) 3409-9822 ou pelo WhatsApp (31) 9.8205-5076.

Entenda a interrupção nos estudos

A Johnson & Johnson comunicou nessa segunda-feira a suspensão do ensaio clínico com a vacina contra o coronavírus em função do adoecimento de um dos participantes ligados ao teste. O estudo foi interrompido para determinar se o efeito adverso foi provocado pelo remédio ou não. A vacina contra a Covid-19 da farmacêutica norte-americana está na terceira etapa do estudo – é o décimo laboratório a nível global a alcançar a fase 3 de testes contra a infecção, o quarto nos Estados Unidos. Além do país de origem, são feitos testes também na Argentina, no Brasil, no Chile, na Colômbia, no México, no Peru e também na África do Sul.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa) já foi comunicada sobre a interrupção. Contudo, o órgão brasileiro declarou não ter mais informações sobre a suspensão. O primeiro voluntário do Brasil no estudo inscreveu-se na plataforma online da farmacêutica em 9 de outubro. Desde ontem, estão suspensos também novos cadastros até um posicionamento da Johnson & Johnson e uma posterior autorização da Anvisa para início dos testes no país.

Fonte: O Tempo
Faça seu comentário usando o Facebook