Diáspora Black ganhou R$ 15 mil na competição de inovação coordenada pelo Sebrae

Compartilhar

A primeira rodada das batalhas de pitch do Menos30 Fest teve a coordenação do Sebrae, nesta segunda-feira (31). O gerente adjunto de inovação, Paulo Pupin, foi um dos avaliadores da disputa.

O Menos30Fest é realizado pelo grupo Globo e tem como objetivo levantar os principais avanços e desafios para o empreendedorismo em tempos de pandemia. Puppin deu o voto decisivo que premiou a Diáspora.Black com R$ 15 mil.

Durante a batalha, três startups tiveram a oportunidade de apresentar o seu negócio: Web para todos, Diáspora.Black e Jaubra. Além disso, os participantes responderam perguntas dos avaliadores e receberam dicas para seus empreendimentos. O vencedor da noite, Carlos Humberto Filho, campeão pela Diáspora.Black, voltada ao turismo, hospedagem e cultura negra, agradeceu a oportunidade de participar da competição. “É um sonho que já se transformou em realidade. A gente vem impactando pessoas com nosso trabalho, isso nos emociona muito”, disse.

De acordo com Paulo Puppin, a experiência da competição foi positiva para empreendedores e para a instituição. “A importância da participação do Sebrae nesse tipo de iniciativa é gigante. Primeiro, ganha o Sebrae porque estabelece contato próximo com empresas novas e consegue oxigenar suas iniciativas. Em segundo, ganham as empresas que contam com o olhar cuidadoso da única instituição brasileira dedicada aos pequenos negócios, capaz de potencializar os empreendimentos ali apresentados”, afirma.

Startups participantes da Batalha

Diáspora.Black
Carlos Humberto da Silva Filho representou a Diáspora.Black, startup de impacto social com soluções de tecnologia para promoção e venda do turismo e cultura negra. Criada com objetivo de derrubar barreiras, e empresa aposta no conhecimento e na vivência como armas poderosas no combate ao racismo.

Web para todos
Idealizadora do movimento, Simone Freire apresentou a “Web para todos”. Com o objetivo de construir uma sociedade digital mais acessível e inclusiva, a startup atua na mobilização, educação e transformação da sociedade em relação à acessibilidade na web através de sua plataforma online.

Jaubra
Uma das fundadoras do aplicativo, Aline Landim de Sousa Silva batalhou pelo Jaubra, o “Uber da quebrada!”. A startup surgiu como alternativa para levar mobilidade ao bairro Brasilândia, em São Paulo, através de um serviço alternativo de transporte.

Faça seu comentário usando o Facebook