Falsário entra em grupos de produtores rurais no Whatsapp para dar golpe

A cada dia um novo golpe surge no país para tentar roubar dados e contas de redes sociais, a fim de conseguir dinheiro ou alguma outra vantagem. No meio rural, os grupos de whatsapp, criados para informar e debater temas importantes para o dia a dia na fazenda, viraram foco dos bandidos nos últimos dias. Entenda como acontece e evite ser hakeado por farsantes. Antes de mais nada, para preservar os envolvidos, não revelaremos os nomes reais dos produtores que contaram suas histórias.

O golpe relatado por vários produtores começa com o bandido entrando em um grupo de whatsapp. Desses que, com um link, qualquer um pode entrar. Antes disso, no entanto, o bandido já copiou a foto e nome de uma pessoa qualquer de outro grupo, para se parecer um perfil normal.

Isso aconteceu com um produtor mineiro de nome fictício Rubem. Ele participava de um grupo de produtores, quando o golpe aconteceu e foi bastante hostilizado por outros integrantes que o confundiram com o bandido.

“As pessoas achavam que era eu quem estava dando o golpe, tive até que mudar a foto do meu perfil pra evitar mais gente brava por algo que não fiz”, diz Rubem.

O golpe
Já dentro de outros grupos, com o nome e foto falsos, o bandido escolhe algumas pessoas para iniciar o golpe.

Em uma conversa privada no Whatsapp o bandido manda a mensagem, dizendo que tem um grupo com nome bastante atraente, no caso que o Canal Rural recebeu o relato, se chamava “Grandes negócios da agropecuária”, perguntando se a vítima gostaria de participar.

Caso a resposta seja “SIM”, o bandido diz que irá mandar um código com 6 dígitos via SMS para o celular da vítima. Na verdade esse código é uma confirmação do próprio Whatsapp para a solicitação de instalação daquela conta em outro celular. Quando o bandido tem acesso a esse código, ele passa a ter o controle de todo o Whatsapp da pessoa e seus contatos.

Grupos não enviam código via SMS
Vale ressaltar que nenhum grupo de Whatsapp possui recurso de envio de códigos via SMS para o celular de interessados em integrar o grupo. As duas possibilidades atuais são:

1 – Entrar através de um link (no qual a vítima deve confiar em quem envia, para somente então acessar).

2 – Ser colocado no grupo, automaticamente, pelo administrador. Neste caso, o interessado em participar nada precisa fazer.

O que o bandido quer
A ideia do bandido, ao controlar o Whatsapp, é se passar pela vítima e tentar conseguir dinheiro “emprestado”. Normalmente diz para os contatos que está passando por agum problema urgente e que precisa daquele dinheiro.

Quando o bandido acessa o Whatsapp da vítima, aciona imediatamente a verificação em duas etapas, o que faz com que o WhatsApp exija uma senha para ser reativado no número da vítima e esta fica bloqueada, pelo menos por algum tempo, até que o relato de roubo de conta seja feito.

Produtor manda Print
Um outro produtor rural, de Minas Gerais, recebeu a mensagem do farsante, mas não caiu no golpe. Para evitar que outros fossem enganados, printou a conversa e distribuiu no grupo, mostrando inclusive o número usado pelo bandido.

O agricultor de nome fictício Alan, disse que desconfiou logo no começo da história, pois conhecia o rapaz da foto clonada. “Não aconteceu comigo por eu ter conhecimento do golpe e porque aquela foto de contato é de outro integrante de nosso grupo. Por isso compartilhei com todos”, conta Alan.

Como recuperar a conta
Para aqueles que cairam no golpe e tiveram suas contas hackeadas o certo é enviar imediatamente um e-mail ao suporte do Whatsapp (support@whatsapp.com), relatando o ocorrido. Para evitar problemas com seus contatos, acarretando em envio de dinheiro aos bandidos, use outras redes sociais em comum com seus contatos (como Facebook, Linkedin e Instagram) para avisar que foi clonado.

 

Fonte: Canal Rural
Faça seu comentário usando o Facebook