Funcionário de hotel agredido em Varginha recebe apoio de clientes

Compartilhar

A administração do hotel, em Varginha, no Sul de Minas, onde a agressão entre cliente e recepcionista foi registrada, disse que o funcionário seguiu todas as orientações do manual de prevenção contra a COVID-19. “Não temos nada a declarar. Isso nunca aconteceu no hotel. O funcionário agiu em legítima defesa. Ele estava seguindo o manual que foi repassado para ele”, explica.

O vídeo mostra o momento exato das agressões. Nas imagens, o recepcionista aparece sendo agredido com um pedestal. Por telefone, os responsáveis afirmaram que o boletim de ocorrência foi registrado pelo funcionário, que se sentiu lesado pelo cliente. “Nós não divulgamos o vídeo. As imagens foram repassadas pelo recepcionista para a polícia. O funcionário que vai decidir se quer levar isso adiante na Justiça”, disse.

De acordo com a administração, o hotel se preocupa com a saúde dos funcionários e clientes. “Nós ganhamos um certificado por seguir todas as orientações de prevenção. Aferir temperatura e disponibilizar álcool em gel para os clientes fazem parte das medidas. Inclusive estamos recebendo várias ligações de clientes parabenizando atitude do funcionário”, afirma.

O homem, de 30 anos, que aparece nas imagens agredindo o recepcionista também prefere não se identificar. Mas falou sobre o caso. “No sábado, eu tinha trabalhado demais. Estava cansado e acabei chegando lá de meia e de chinelo. Não sei se o cara achou que não tinha dinheiro pelo modo que eu estava vestido ou se cheguei em um carro popular da minha namorada. Fui humilhado! Para eu ter chegado naquele extremo, ele me deixou muito indignado”, explica o cliente que agrediu o recepcionista.

Segundo o cliente, ele pretende resolver o caso na Justiça. “O vídeo é longo. Tem eu tentando resolver o caso. Pedindo para chamar uma gerência. Claro, a imagem não tem áudio, mas eu tentei resolver a situação. Eu nunca ficaria nervoso se alguém me pedisse para aferir minha temperatura. O cara fez o boletim de ocorrência, cortou o vídeo no ponto que ele quis, e divulgou mentiras. Eu estou sofrendo e sendo ameaçado. Meu advogado está cuidando da situação”, afirma o cliente.

O caso foi registrado como lesão corporal e é investigado pela Policia Civil de Varginha. A delegada Geny Azevedo explicou que vítima e agressor devem ser intimados. “Um TCO (termo circunstanciado de ocorrência) foi feito e a vítima, no caso o recepcionista, desejou representar criminalmente contra o agressor. O vídeo do hotel foi encaminhado para a perícia. E assim que as audiências no Juizado Especial retomarem, eles serão intimados. O autor ainda não compareceu à delegacia para se manifestar”, finaliza a delegada.

Fonte: Estado de Minas

Faça seu comentário usando o Facebook