Golpe com clonagem via Whatsapp chega a Passos

Um novo golpe que está ganhando força no Brasil e chegou a Passos nos últimos dias utiliza os dados usados em anúncios online em plataformas como a OLX para clonar o Whatsapp de usuários e tentar roubar dinheiro de familiares e amigos por meio do aplicativo de mensagens.

O advogado Guilherme Caixeta foi uma dessas vítimas, e ontem, 15, vários de seus contatos começaram a receber mensagens de conversas e no meio do assunto o impostor pedia um favor, que era para fazer uma transferência bancária.

De acordo com um levantamento nacional recente, mais de 300 pessoas já sofreram com tentativas de invasão de conta por criminosos, que deixam de lado os “vírus” e apostam na engenharia social.
O advogado conta que realizou o anúncio de um veículo na OLX, que normalmente pede um telefone ou e-mail para que os interessados no produto entrem em contato com o vendedor. Os criminosos aproveitam essa brecha para pegar o número do anunciante, tentar enganá-lo e assumir o controle de seu Whatsapp.

“Eu estava no Fórum em meio a várias tarefas quando me ligaram dizendo ser da plataforma OLX e que precisavam enviar uma mensagem para que eu autorizasse o anúncio. Na hora, nem passou pela minha cabeça golpe, uma vez que realmente tinha feito o anúncio pago no portal. Só soube a partir do momento que clientes começaram a dizer que estavam recebendo conversas estranhas na qual eu, no caso o impostor, pedia para transferir dinheiro. E o pior é que eu mesmo estou sem a ferramenta do Whatsapp, os bandidos te tiram o poder de uso do aplicativo. Portanto, peço que não depositem nada a meu pedido”, disse Caixeta.

Uma de suas clientes e amigas, que pediu para ter sua identidade preservada, contou à reportagem que, no meio da tarde, enviou uma mensagem ao advogado questionando sobre uma informação de seu caso junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais. “A conversa fluía normalmente, com as questões sendo respondidas corretamente, quando no meio do assunto ele me perguntou se eu tinha aplicativo de algum banco e se eu conseguiria fazer uma transferência de R$3.850. Eu disse que tinha o aplicativo, porém, não tinha esse valor em conta. Ele ainda me questionou sobre meu limite do especial. Até então, estava achando que estava conversando com ele, normalmente. E ainda brinquei sobre ter o valor. Fui salva por ter apenas R$7,81 na conta. Quase no mesmo instante da conversa, a sócia de Guilherme no escritório informou que ele foi alvo de clonagem”, afirmou.

O golpe

Ao pegar o número de telefone online, o criminoso faz uma ligação ou envia uma mensagem via Whatsapp fingindo ser a plataforma em que o usuário criou o anúncio, dizendo que é necessário enviar um código de confirmação que chegará via SMS para terminar o cadastro. Esse código, na verdade, é o autenticador de duas etapas do Whatsapp da vítima, a última peça necessária para o golpista clonar a conta. Como todo o processo acontece em tempo real, pessoas desatentas acabam acreditando na história e perdendo acesso ao aplicativo.

“Eu nem me liguei. A partir desse momento, minha conta bloqueou”, explicou Marcos Lopes, de 37 anos, que foi afetado pelo golpe enquanto tentava vender um relógio na OLX. Com o Whatsapp da vítima em mãos, o criminoso parte para o próximo passo: tentar conseguir dinheiro de familiares e amigos fingindo ser o dono da conta.

Segundo contou Lopes ao Tilt, o golpista que conseguiu acessar sua conta no Whatsapp utilizou a lista de contatos recentes para enviar mensagens pedindo “dinheiro emprestado” para quem aparecia no aplicativo. Até que o serviço pudesse ser recuperado, processo que demorou cerca de três horas, o criminoso conseguiu roubar R$500 de um amigo da vítima, que foi convencido a fazer uma transferência bancária com o valor.

Atenção é essencial

Um detalhe importante na armação é ausência de qualquer tipo de vírus ou programa malicioso: assim como outros golpes de engenharia social, a peça-chave para o crime é a desatenção do usuário. A OLX comentou o assunto e disse que não pede informações pessoais por telefone, Whatsapp ou SMS para autenticar a publicação de anúncios. O Mercado Livre não se pronunciou, mas todo o processo de criação de posts do serviço também acontece dentro da plataforma, sem a necessidade de falar com agentes externos.

Com isso em mente, a dica para se proteger é ter a verificação em duas etapas do Whatsapp ativada e ficar atento ao receber e-mails de serviços que deixam dados de contato expostos publicamente.

 

 

Fonte: Folha da Manhã
Faça seu comentário usando o Facebook