Maiores cidades do Sul de MG mostram recuperação em vagas de emprego em julho, aponta Caged

Compartilhar

Com a reabertura gradual de diversos setores do comércio durante a pandemia da Covid-19, as maiores cidades do Sul de Minas mostraram recuperação no número de vagas de emprego geradas em julho. Ao contrário de junho, em que seis dos dez municípios tiveram saldo negativo, em julho foram quatro os que fecharam com mais demissões que admissões, de acordo com dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) nesta sexta-feira (21).

No acumulado do ano, no entanto, o Cadeg aponta que ainda nove das maiores cidades da região estão com saldo negativo. No entanto, Passos mostrou recuperação e tem o acumulativo do ano positivo, sendo a única do Sul de Minas nesta situação.

São Sebastião do Paraíso, Varginha, Alfenas, Três Pontas, Passos e Pouso Alegre foram as cidades que apresentaram saldo positivo em julho.

Pouso Alegre foi a que mais gerou vagas: teve 1.407 admissões contra 1.180 demissões, um saldo 224 vagas positivas. Mesmo com o mês positivo na questão de gerar novos postos de trabalho, a cidade continua com saldo negativo no ano: – 1.337.

Poços de Caldas é a cidade, entre as 10 maiores da região, com pior saldo no ano: -4.682 vagas. No entanto, o município mostrou melhora de um mês para o outro. Ao contrário de junho em que teve saldo negativo de -549 vagas geradas, a cidade teve o saldo de -10 em julho. Foram geradas 1.053 vagas no mês passado, contra 1.063 demissões.

Comparativo
No comparativo com o mês de junho, as cidades mostraram reação em julho e mesmo com quatro municípios entre os 10 tendo registrado saldo negativo, o número de demissões caiu, enquanto o de admissões cresceu.

Em junho, segundo o Caged, foram gerados 5.791 empregos nos maiores municípios. Já em julho, o número saltou para 6.519: um aumento de 728 novos postos de trabalho.

O número de demissões caiu no comparativo entre os dois meses. Enquanto em junho foram 6.586 demissões, em julho ocorreram 5.971.

 

Fonte: G1

Faça seu comentário usando o Facebook