Minas tem 2º maior número de mortes por Covid-19 em 24h; são quase 130 mil infectados

Compartilhar

Uma mudança no balanço epidemiológico publicado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) na manhã deste sábado (1º) impede que os números referentes à quantidade de casos confirmados de Covid-19 e óbitos pela doença por município apareçam diretamente no relatório como o que era feito até essa sexta-feira (31). Informação colocada no pé do documento aponta que a distribuição por municípios será colocada no painel de monitoramento de casos que até 9h48 de sábado ainda não havia sido atualizado.

O balanço epidemiológico publicado indica somente a quantidade de infectados em Minas Gerais, os casos que permanecem em acompanhamento, os recuperados e o número de óbitos que aconteceram no Estado em função do coronavírus. O novo modelo de boletim também não compartilha as estatísticas referentes à hospitalização como era anteriormente, nem tampouco dados relacionadas às internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). A reportagem de O TEMPO questionou a Secretaria a respeito da mudança para saber se ela será mantida para dias úteis ou se trata-se apenas de uma edição especial de fins de semana.

Este primeiro dia do mês é o segundo pior de toda a pandemia em relação às mortes registradas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) em um período contado a partir de um dia para o outro. Apenas entre sexta-feira e esta manhã, 92 óbitos causados pelo coronavírus entraram para o relatório estadual, uma média de mais de três mortes por hora – o recorde de mortes em 24 horas pertence à data de 22 de julho quando 95 óbitos foram confirmados pela pasta. Quatro meses após a primeira morte pela doença em Minas Gerais, o Estado chegou à marca de 2.861 mineiros perdidos na luta contra a Covid-19 – número dez vezes maior que o existente há exatos dois meses.

A quantidade de mineiros infectados pelo coronavírus também aumentou significativamente apenas no decorrer dos últimos 60 dias. Até este sábado (1º), o Estado soma praticamente 130 mil diagnósticos positivos de Covid-19 – são 129.985 com exatidão, sendo que 2.879 casos foram confirmados só nas últimas 24 horas. Como até a publicação desta matéria, o painel de monitoramento de casos ainda não havia sido atualizado, não é possível saber se Belo Horizonte chegou à marca de 20 mil moradores infectados com a Covid-19 – isto, pois, na sexta-feira (31) a cidade tinha 19.748, sendo o município com a maior concentração de casos confirmados.

Entretanto, sabe-se que 24 entre as 92 mortes que entraram para o balanço neste sábado aconteceram na capital mineira. Um quadro com os óbitos detalhados e que acompanha o relatório aponta que outras 16 mortes aconteceram em Governador Valadares no Rio Doce. Ribeirão das Neves na região metropolitana é responsável por outras seis mortes destas mais recentes, quatro aconteceram em Leopoldina na Zona da Mata e quatro em Uberlândia no Triângulo Mineiro. Entre as 92 pessoas que perderam a vida para a doença, a mais nova tinha 40 anos e a mais velha, 88. Uma mulher de apenas 45 anos, moradora de Passos na região Sul de Minas Gerais, é uma das vítimas. Ela não tinha comorbidades anteriores.

Resposta

Questionada na manhã deste sábado, a SES-MG esclareceu através de nota por e-mail que o boletim epidemiológico foi readequado e será publicado em uma versão reduzida durante os fins de semana. Nele constarão apenas os números de casos e óbitos registrados. Contudo, de acordo com a pasta, a versão completa será publicada sempre nos dias úteis. A Saúde pontuou ainda que mantendo um compromisso de informar a população.

“O painel de monitoramento disponível para acesso no sítio eletrônico da SES/MG (www.saude.mg.gov.br/coronavirus) continuará sendo atualizado, diariamente, com a distribuição de casos por município”, conclui.

 

Fonte: O Tempo

Faça seu comentário usando o Facebook