Morador de Passos que teve documentos clonados tem problemas na Justiça há 10 anos

Compartilhar

Um morador de Passos/MG não consegue dormir por causa de um problema que se arrasta há 10 anos. Ele teve os documentos clonados e alguém tem cometido crimes com o nome dele desde então.

Desde que os documentos do marceneiro foram clonados em 2009, Rogério Oliveira Silva passou a receber intimações para audiências criminais. A última chegou no dia 20 de setembro, referente a um caso de roubo. Um homem tem se passado por ele em Belo Horizonte.

“A Justiça continua a insistir né? Achando que esse é o verdadeiro Rogério. Sendo que esse elemento continua solto lá em Belo Horizonte, Santa Luzia… Ninguém toma providência, eu quero saber, eu quero pedir às autoridades. Até quando vai ser isso? Até quando? Até quando essa palhaçada vai continuar? E se tem alguém, pelo amor de Deus, eu imploro, que me ajuda, gente, eu não suporto mais!”, disse a vítima.

O caso só foi descoberto porque ele recebeu uma cobrança de uma operadora de celular. Depois investigou e descobriu vários crimes cometidos em seu nome. Ele fez um boletim de ocorrência, mas o problema é recorrente na vida dele.

Em 2013 a Justiça determinou que os documentos clonados fossem cancelados e que o marceneiro tirasse uma nova documentação, inclusive com números de diferentes. O RG, o CPF e até a carteira de habilitação chegaram há menos de 15 dias.

Agora, ele terá que comparecer em todas as audiências em que for intimado para colocar um fim no problema.

“Tem que comparecer para o próprio juiz que instaurou aquele procedimento, que já conhece o outro Rogério e vai ver que realmente não é o Rogério e lá nós já vamos também entregar a cópia da nova documentação, que hoje já está com o novo documento, mas esse é um procedimento que tem que acontecer, ele tem que comparecer”, disse o advogado Fábio de Oliveira.

A polícia agora terá que identificar quem é a pessoa que está usando o nome de Rogério.

“Isso é obrigação da polícia né, porque isso já vem desde 2007, eles prenderam e não identificam a pessoa. E eles estão vendo que já foi feito vários boletins de ocorrência provando que tem alguém usando a documentação dele em Belo Horizonte e já tem uma sentença transitada em julgado de danos contra o Estado por esse mesmo motivo”, completou o advogado.

A ficha criminal do falso Rogério é grande. Pelo menos nove ocorrências de 2009 para cá. Ele já foi preso, pediu revisão da pena e até solto com o nome do marceneiro. Tantos anos se passaram e até agora ninguém esclareceu como os dados da vítima foram clonados.

“Esse indivíduo, esse cidadão, foi preso em flagrante, tem lá fotografia, por exemplo, as digitais identificando a pessoa, mas com os meus documentos. Passa por presídios, é transferido de presídios, passa na mão de juízes e ninguém faz nada! Eu quero dizer assim: será que essa é a justiça que ‘nóis têm’? “Na onde’ que vai chegar?”, concluiu a vítima.

 

 

Via: G1 Sul de Minas
Faça seu comentário usando o Facebook