Não há previsão de lockdown em Minas, diz secretaria de Saúde

Compartilhar

O secretário-adjunto de Saúde de Minas Gerais, Marcelo Cabral, disse, em coletiva virtual nessa segunda-feira (10), que não há previsão de lockdown – versão mais rígida de quarentena- no Estado. Apesar disso, o secretário de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, afirmou, na mesma ocasião, que os protocolos de contenção ao coronavírus devem ser seguidos rigorosamente. Nas últimas 24 horas, Minas registrou 60 novas mortes por Covid-19, chegando a 3.597 óbitos.

“Não há previsão de lockdown. A secretaria de Saúde e o governo se prepararam desde o comerço. Mencionamos o que fizemos no planejamento e temos tudo isso bem monitorado em relação ao que se refere à pandemia, mas não tem indicativo de lockdown a nenhuma região de Minas Gerais”, disse o secretário-adjunto.

Questionado sobre se os avanços na reabertura econômica em várias cidades do Estado indicam que a pandemia está cedendo, o secretário Carlos Eduardo adotou um tom cauteloso. “O vírus está circulando, já vimos em vários pasisses do mundo novas ondas. Eu entenderia então que, no contexto da transmissão do vírus, no contexto do distanciamento adequado e no contexto da atuação do Estado, nós estamos conseguindo manter essa pandemia estável, mas não que ela esteja cedendo”, afirmou.

Ainda segundo o secretário, nas cidades que avançaram no programa Minas Consciente, a sociedade deve observar se as medidas se segurança estão sendo seguidas pelos estabelecimentos comerciais. No último sábado 670 cidades foram liberadas para avançar na reabertura econômica, podendo funcionar inclusive bares e restaurantes, com restrições.

Minas Gerais registrou nesta segunda-feira (10) 3.597 óbitos e 155.075 casos confirmados de coronavírus. Nas últimas 24 horas foram 60 mortes e 1.148 novos casos da doença no Estado. No total, 29 mil casos estão em acompanhamento, e 122.478 pessoas se recuperaram  da doença. Os dados são do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

Fonte: O Tempo
Faça seu comentário usando o Facebook