PCMG prende suspeito de aplicar golpe do motoboy em Paraguaçu e região

Compartilhar

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu em flagrante um homem, de 18 anos, por estelionato e associação criminosa, em Paraguaçu, Sul do estado, nessa terça-feira (10). Ele é suspeito de aplicar o ‘golpe do motoboy’ no município, bem como em Alfenas e Machado. As investigações apontam que, pelo menos, 15 pessoas foram vítimas da fraude.

O trabalho investigativo começou no mês passado, a partir de registros de ocorrência do tipo. A equipe da PCMG em Paraguaçu levantou que o modo de atuação dos golpistas era o mesmo: telefonavam para as vítimas, simulando ser funcionários de banco, e diziam que os cartões bancários delas haviam sido clonados. No decorrer da conversa, as convenciam a entregar os cartões, com a justificativa de resolverem o problema.

As vítimas também eram instruídas a cortarem os cartões ao meio, sendo o chip preservado, e repassarem dados, inclusive senhas. Depois da ligação, um motoboy ia até a casa delas para recolherem os cartões. A partir de saques nas contas bancárias e compras com os cartões, sem que os reais titulares tivessem realizado as operações, perceberam ter caído no golpe.

Na data da prisão do suspeito, os policiais civis receberam informações da Polícia Militar acerca da possibilidade de uma motocicleta usada no crime estar em circulação na cidade de Paraguaçu. Durante levantamentos, a equipe da PCMG localizou o veículo na BR-491 e, ao abordar o motociclista, localizou com ele três cartões bancários de uma das vítimas. A motocicleta, um celular e os cartões foram apreendidos.

O suspeito foi autuado e encaminhado ao sistema prisional. As apurações prosseguem pela Polícia Civil a fim de identificar outros possíveis envolvidos nas fraudes.

Alerta

A PCMG orienta o cidadão a não repassar nenhuma informação referente a dados de acesso a cartões bancários por telefone. Após recebimento de ligação desse tipo, o titular da conta deve consultar seu gerente sobre alguma irregularidade. Nenhum banco pede o cartão de volta ou oferece para buscá-lo em casa. Quando precisar destruir o cartão, corte-o em várias partes e não deixe o chip inteiro.

 

Fonte; Polícia Civil de Minas Gerais
Faça seu comentário usando o Facebook