Polícia Ambiental orienta sobre queimadas em Carmo do Rio Claro

Compartilhar

O Tempo seco entre os meses de junho e setembro, podem intensificar a propagação de focos de incêndio na vegetação e afetar estruturas de abastecimento elétrico, causando a interrupção dos serviços. A época de estiagem concentra o maior índice de queimadas do ano.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), há uma média de 5,6 mil queimadas registrada nos últimos 20 anos somente entre os meses de junho e setembro em território mineiro.

A queima de lixo doméstico praticado por diversos cidadãos como forma de dar fim a lixos em terrenos baldios, além de causar danos à saúde pública com a fumaça, provoca risco de incêndio em proporções maiores, destrói a vegetação e pode causar a morte de animais nas redondezas.

Em Carmo do Rio Claro, a Polícia Miliar Ambiental orienta sobre as incidências de queimadas e sua consequências para a população  e meio ambiente. De acordo com o Sargento Konrrado, o que falta é  a conscientização da população de modo geral. A PMA realiza várias ações preventivas, como forma de orientar para a questão dos incêndios, em especial nos períodos de estiagem prolongada.  Segundo o Sargento, provocar incêndio  pode gerar multa e ser autuada administrativamente e multada até R$ 11.000 reais.

Um Projeto de Lei  aprovado nesta semana pela Câmara Municipal, estabelece multa para quem promover queimadas com o objetivo de manter o meio ambiente local ecologicamente equilibrado. A Polícia Ambiental pede a colaboração da população quanto as denúncias, para que seja apuradas e responsabilizar os autores da pratica. Veja abaixo no vídeo orientações com Sargento Konrrado sobre a situação das queimadas nesse período de seca.

Faça seu comentário usando o Facebook