Polícia procura por homem que matou ‘amigo’ para ficar com R$ 30 mil

Compartilhar

A Polícia Civil procura por José Maria Pinheiro Pedroso, de 56 anos, suspeito de matar um “amigo” no bairro Solar da Madeira, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, para ficar com R$ 30 mil, valor referente à venda de um imóvel. Nesta terça-feira (17), a instituição deu detalhes do caso. O corpo de “Luizinho da Bicicleta”, à época com 64 anos, foi encontrado em abril de 2017.

“No final de abril de 2017, nós recebemos direto na delegacia uma denúncia dando conta que uma vítima teria sido morta e enterrada em uma fossa no bairro Solar da Madeira. A equipe foi ao local, uma chácara, viu que tinham dois pontos de terra remexida. O proprietário autorizou que fosse realizada uma vistoria minuciosa. O Corpo de Bombeiros foi ao local e furou aproximadamente três metros de profundidade, quando encontrou o esqueleto. O crime teria acontecido cerca de seis meses antes”, contou o delegado Anderson Resende Kopke.

Pedroso, que também atende pelo apelido de “Dé”, era conhecido na região como “faz tudo”: era pedreiro, pintura, negociava imóveis, entre outras tarefas. Em novembro de 2016, ele vendou uma casa do idoso, mas não repassou o dinheiro.

“O Luizinho fez algumas reformas no imóvel e interessou em vender. O José Maria se ofereceu para fazer a intermediação. A vítima considerava o José Maria um irmão. O autor contou com a colaboração de duas outras para cometer o crime afirmando que dividiria o valor do imóvel – R$ 10 mil para cada. Mas o José Maria enrolou os dois, criou uma situação de conflito e fugiu com o valor todo. Um dos presos confessou e o outro negou o caso”, detalhou o policial.

A polícia teve informações que o autor tem parentes na cidade de Padre Paraíso, no Vale do Jequitinhonha, mas ele não foi localizado.

O crime

Luizinho foi atraído até a chácara a pedido do amigo para furar uma fossa. Enquanto ele trabalhava, Pedroso e os dois comparsas, de 45 e 49 anos, começaram o jogar blocos de cimento contra o idoso. Ainda conforme a polícia, a vítima pode ter sido enterrada viva. No entanto, não foi possível confirmar porque o homem ficou soterrado por muito tempo e o estado de decomposição estava avançado.

“Para justificar a ausência de Luizinho, o José Maria disse aos outros moradores que tinha repassado um lote para a vítima em Esmeraldas (na região metropolitana de Belo Horizonte) e que ela teria ido morar lá. A família de Luizinho mora no interior e não tinha informações dele”, afirmou o delegado.

Quem tiver alguma informação que possa levar ao paradeiro de José Maria pode denunciar através do telefone 181. O denunciante não precisa se identificar.

 

Fonte: O Tempo
Faça seu comentário usando o Facebook