Praça em estado de abandono gera reclamação de moradores

Compartilhar

A praça Paulo Affonso Junqueira, no bairro Vila Cruz, tem ganhado as redes sociais de maneira negativa depois que moradores do seu entorno resolveram denunciar o estado de abandono do local.
“É muito triste um patrimônio público tão lindo, lugar onde muita gente se reunia para dançar, se divertir, estar assim hoje abandonado. Sem falar da beleza que era a fonte com aquela água colorida, com a música clássica. Dava vontade de ficar sentada no banco para namorar, conversar. É triste olhar nossa pracinha tão desprezada”, lamenta Ângela Migot, uma das moradoras das proximidades.

Outra moradora, Rosângela Vechiatto, diz que ultimamente está impossível levar uma criança para brincar na praça, pois é preocupante a ocupação do local pelas pessoas em situação de rua. “Dias atrás, em uma reportagem, a secretária de Promoção Social Luiza Martins disse que não se pode obriga-los a fazer tratamento e nem ir para o abrigo, que eles não podem ser forçados. Eu e os outros moradores entendemos que são seres humanos e devem ser tratados como tal, mas também não podemos ficar à mercê dessas pessoas. Eles perturbam demais, apertam a campainha tarde da noite, fazem muito barulho. Sem contar que dá medo de passar por lá, tem vários usuários de entorpecentes que ficam o dia todo bebendo e se drogando”, conta ela.
Rosângela também comenta que várias dessas pessoas que ficam na praça são do próprio bairro, então caberia às famílias tomar conta deles. “Diante das situações de importunação já liguei para o 156, mas só toca e ninguém atende. Liguei também para a Guarda Municipal, que ao meu ver está deixando a desejar, pois a pracinha é um patrimônio e precisa ser resguardada. Então, nós moradores exigimos uma solução, queremos nossa praça como um local de passeio e desfrute da comunidade”, pontua ela.

O pequeno coreto no meio da praça foi tomado pelas pessoas em situação de rua que o utilizam, segundo os moradores, para dormir, lavar e secar roupas, fazer sexo e consumir drogas e bebidas alcóolicas.
“Este coreto deveria ser demolido, não tem utilidade nenhuma para a comunidade’”, diz o morador Daniel Maiochi.
De acordo com ele, à noite a energia elétrica do coreto é usada pelos ocupantes para fazer barulho. “O local se transformou em abrigo para moradores de rua, além do constante consumo e tráfico de drogas por ali. Entendemos que todos têm o direito de ir e vir, inclusive nós, os moradores do bairro e das proximidades da praça”, complementa ele.

Outra reclamação dos moradores é sobre o não funcionamento da fonte luminosa instalada na praça há mais de 50 anos. Ela passou por restaurações, mas mesmo assim continua inativa.
“Nossa praça e a fonte luminosa estão abandonadas. O local de recreação e convivência dos moradores está em péssimo estado, sem condições de utilização, sem segurança. Alguma coisa precisa ser feita com urgência”, finaliza Maiochi.

 

Via jornalmantiqueira
Faça seu comentário usando o Facebook