Professores de Educação Física pedem a reabertura das academias

Compartilhar

Desde o dia 22 de março as academias de musculação estão fechadas em Guaxupé. De lá pra cá, profissionais que trabalham no setor viram a renda minguar. A cidade possui 30 academias, estúdios de personal trainers, e clubes, que empregam aproximadamente 200 pessoas. Representantes da categoria apresentaram projeto de retomada das atividades à prefeitura de Guaxupé, mas até o momento não tiveram posicionamento.

O projeto prevê que as academias funcionem com número limitado de alunos, que poderão ficar no estabelecimento por 45 minutos. Os alunos só poderão frequentar os locais com hora marcada. Os profissionais de educação física terão quinze minutos entre uma turma e outra para fazer a desinfecção do espaço.

Na região, outras cidades como Muzambinho e Guaranésia liberaram a reabertura de academias com 30% da capacidade. Nessa quinta-feira, 04, o prefeito Sérgio de Azevedo anunciou a reabertura das academias em Poços de Caldas.

Segundo o vereador Francis Osmar Silva, que é empresário do ramo, os educadores físicos de Guaxupé estão no limite. “Nós, professores de educação física e academias, estamos sendo tratados como atividade de laser e de esporte. E todos sabem que a atividade física é voltada para a saúde e bem-estar. Tem médicos que prescrevem a atividade física e a musculação para os seus pacientes. Temos pacientes que receberam alta de fisioterapia e estão esperando a abertura das academias. A gente não está entendendo porque não voltou as academias e voltaram outros estabelecimentos, como a fisioterapia”, explicou o vereador que enviou novo ofício à prefeitura nesta sexta-feira, 05.

No dia 11 de maio, as academias de musculação foram consideradas como estabelecimentos essenciais no decreto presidencial nº 10.344/2020. Mas o protocolo “Minas Consciente”, usado pela prefeitura de Guaxupé, prevê que as atividades de academia só poderão ser retomadas após a pandemia do Coronavírus.

“Já foram feitos vários ofícios para a prefeitura, inclusive ofício com mais de 200 assinaturas. E a prefeitura até agora não deu resposta. O que queremos é exercer na nossa profissão. Tem muitos pais de família que não tem outra renda a não ser a academia. Muitas empresas já demitiram vários funcionários nas academias de Guaxupé. Outras empresas estão como eu com dois, três aluguéis atrasados”, afirmou Francis.

Segundo a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, o caso das academias será debatido pelo Comitê de Enfrentamento da Covid-19.

 

Fonte: Portal da Cidade Guaxupé
Faça seu comentário usando o Facebook