Santa Casa de Passos atendeu 268 casos de AVC até outubro

Compartilhar

A Santa Casa de Misericórdia de Passos (SCMP) costuma atender uma média anual de 340 casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC), problema também conhecido como “derrame”. O balanço referente a 2020 indica que a instituição já recebeu 268 pacientes até o mês de outubro, embora a pandemia do novo coronavírus tenha feito com que muitas pessoas deixassem de procurar atendimento médico. Para conscientizar a população, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu, em 2006, que a data de 29 de outubro ser celebrada como Dia Mundial de Combate ao AVC.

O médico neurologista Paulo Prado, da Santa Casa, destaca que o problema é caracterizado por alterações nos vasos do cérebro, que passam por rupturas ou obstruções. Entre as principais sequelas neurológicas que o AVC pode causar, estão a paralisia de um dos lados do corpo, dificuldades para falar, comer e, em alguns casos, a morte.

Quando alguém passa por este problema, a vida do paciente e de seus familiares muda drasticamente, já que muitas vezes as vítimas se tornam dependentes para a maior parte das atividades rotineiras, tais como trocar de roupa, tomar banho e se alimentar. Além disso, existem ainda os danos psicológicos e financeiros, pois muitas vezes as dificuldades impedem a atuação profissional. Existem vários fatores de risco para o AVC, como pessoas que têm pressão alta, diabetes, colesterol e triglicérides elevados e, portanto, consultas preventivas são essenciais”, esclareceu Prado.

Os principais indícios da enfermidade são dificuldades para caminhar, fraqueza ou instabilidade dos músculos, perda temporária de visão em um dos olhos ou em ambos, problemas com a fala, formigamento, redução na sensação de tato, tontura e confusão mental. Ao sentir qualquer um dos sintomas, a recomendação é para que o paciente seja encaminhado imediatamente a uma unidade de saúde habilitada para tratar o AVC. Cerca de 85% dos casos são isquêmicos e não hemorrágicos, e podem causar menos danos quando a medicação é aplicada a tempo.

 

 

Fonte; Folha da Manhã
Faça seu comentário usando o Facebook