Onda Sul FM

Sargento que prendeu vereador é afastado do cargo em Muzambinho

Na quinta-feira, 14, o sargento da Polícia Militar de Muzambinho envolvido no caso onde o vereador João Batista Vasconcelos, João Pezão foi detido por desacato a autoridade, foi afastado do seu cargo. Pelo menos cinco pessoas afirmaram que foram agredidas pelo sargento e que não reagiram á abordagem.

Também na quinta-feira, o vereador João Pezão (PSC) mostrou as marcas da agressão que teria sofrido. Além disso, o vereador nega ter desacatado o PM.

A Polícia Militar atendia a uma ocorrência no bairro Barra Funda, onde mora o vereador. Por volta do 12h45 o genro do vereador saiu de moto para trabalhar, no momento em que passou próximo ao sargento a confusão começou.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, consta que o genro do vereador não teria obedecido uma ordem de parada. Uma moradora gravou a confusão.

O vereador e o genro aparecem ao lado da moto. João Pezão afirma que o genro estava de capacete e obedeceu a ordem de parada.

Um vídeo postado nas redes sociais mostra parte de toda a ação entre o sargento Graciano, o genro do vereador e o vereador João Pezão. Além disso, um pedreiro que estava no local, em cima de um andaime, viu toda a discussão e gritou que seria abuso de autoridade por parte do sargento, que ao ouvir, foi atrás do trabalhador.

De acordo com o pedreiro, o sargento Graciano chutou o portão até arrombá-lo, é desferiu golpes de cacete de que pegaram na mão do pedreiro Márcio Adriano Barbosa que teve como resultado a mão e um dedo quebrados. Ele foi algemado e colocado na viatura. Vendo as agressões, o filho do vereador entrou na casa para ligar para que alguém pudesse prestar socorro.

O filho do vereador, Paulo Ricardo Vasconcelos afirma que o sargente o agrediu com golpes de cacetete e também desferiu golpes contra a sua mãe.

Todos fizeram exames de corpo de delito, prestaram depoimentos e foram liberados. A prefeitura publicou uma nota de repúdio pelo que chamou de “violência praticada pelo sargento Graciano contra a família do vereador”.

Por fim, conforme o  Inquérito Policial Militar, o sargento só deve voltar à atividade depois do fim do processo.

Faça seu comentário usando o Facebook
© 1999-2019 ONDA SUL - A RÁDIO DO SUL DE MINAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS / IA EMPRESA