Semana Internacional do Café premia cafeicultores do Sul de Minas

A Semana Internacional do Café (SIC), realizada em Belo Horizonte, de 20 a 22 de novembro, chegou à sua sétima edição consolidada. Dessa forma, considerada como um dos eventos mais importantes do setor. Autoridades, produtores e realizadores participaram das atividades e da abertura oficial do evento, ocorrida no dia 20. A expectativa dos organizadores era de superar o volume de negócios iniciados no evento em 2018, que chegaram a R$42 milhões.

Realizada desde 2013 em Belo Horizonte, a SIC tem como foco o desenvolvimento do mercado brasileiro e a divulgação da qualidade dos cafés nacionais para o consumidor interno e países compradores, além de potencializar o resultado econômico e social do segmento.

É uma iniciativa do Sistema Faemg, Café Editora, Sebrae, governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa) e da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge).

Foto; Reprodução

O Sul de Minas fez bonito no evento e mostrou a qualidade do seu café por muitos produtores que participam do programa Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), do Senar Minas. O dia 20 de novembro foi marcado pelo cupping de cafés especiais da ATeG Café, que, em sua terceira edição, já é conhecida dos frequentadores da SIC e lota a sala de compradores e apreciadores da bebida. Em seguida, foi realizada a premiação do concurso de qualidade do programa. Desse modo, elegeu os melhores grãos das regiões do Cerrado, Matas de Minas e Sul de Minas nas categorias Natural e Cereja Descascado, além de uma novidade: os melhores técnicos e o supervisor também foram premiados.

Da Regional do Senar Minas em Passos, os municípios de Nova Resende e Poço Fundo conquistaram excelente classificação.

Nova Resende foi muito bem representada pelos produtores participantes da ATeG e 23 deles visitaram a feira no dia 20, juntamente com o engenheiro agrônomo Emilio Andrade Machado, responsável pelo programa.

O produtor Alessandro Marcos de Miranda ficou na segunda colocação na categoria Natural e Antônio Rodrigues de Miranda foi o grande campeão na categoria Cereja Descascado. O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais, entidade cooperada do SistemaFaemg/SenarMinas no município, Ronaldo Ferreira Cardoso, destacou a importância dessa vitória, tanto pelo reconhecimento do empenho e dedicação dos produtores como pela valorização geográfica de Nova Resende, cuja altitude também colabora para a qualidade dos frutos. “Eu só tenho a parabenizar os produtores, que também são nossos sindicalizados, e agradecer. Essa vitória também trará frutos para outros produtores da nossa região e estimulará outros cafeicultores a seguirem o mesmo caminho dos cafés especiais, agregando mais valor ao seu produto”.

De Poço Fundo, o produtor Valdir José de Oliveira ficou em terceiro lugar na categoria Natural. Segundo Valdir, é muita satisfação saber que tem o domínio da atividade e poder mostrar o potencial de Poço Fundo para o mundo. “Eu só tenho a agradecer a todos os envolvidos, à minha família, à minha terra querida. Essa conquista é um sentimento de muita alegria e de realização, isso não tem dinheiro que pague”. Sobre a AteG, ele destacou a importância do apoio e da assessoria. “Nós nunca chegamos a lugar algum sozinho. O Senar sempre me apoiou, desde a adolescência. Hoje, a ATeG vem selar esse apoio, dando suporte, mostrando as novas tecnologias e o caminho mais curto. O resultado é de todos nós. Daqui pra frente, que venham mais premiações”. De Poço Fundo, foram dez produtores para a SIC, juntamente com o técnico Tales Cabral Júnior.

Entre os 220 produtores da regional que participaram do evento, se destacaram os municípios de Alterosa, Nova Resende, Cabo Verde, Poço Fundo, Bom Jesus da Penha, Monte Santo de Minas, Guaranésia, Alpinópolis e São Tomás de Aquino.

Em suma, esse resultado é muito importante para os produtores e para a região, segundo o supervisor do programa, Rodrigo Elias Batista Almeida Dias. “A mudança de vida dos produtores é grande com a comercialização de sacas de café a R$2.500 na SIC. Aqueles que não tinham o feeling para a venda de cafés especiais começam a entrar nesse mercado. Daqui para frente, o concurso tende a ser mais concorrido, pois tem muito produtor com potencial. O que demonstra a importância da ATeG, que procura mostrar essa qualidade que estava escondida lá na roça. O programa orienta o produtor a explorar o potencial de qualidade do seu café”. Os produtores de Nova Resende são esse exemplo. Integrados à AteG em junho e participando do concurso pela primeira vez, mostraram que há muita qualidade escondida que pode ser reconhecida por meio das ações do programa.

Via Folha da Manhã
Faça seu comentário usando o Facebook
shares