Sobreviventes da covid-19 produzem anticorpos que atacam o corpo

Compartilhar

Alguns sobreviventes da covid-19 carregam autoanticorpos semelhantes aos de pacientes com lúpus e artrite reumatoide, doenças autoimunes. Esse autoanticorpos têm como alvo o material genético das células humanas em vez do vírus. Isso é o que demonstrou um estudo realizado por pesquisadores da Emory University, nos Estados Unidos, publicado recentemente no periódico científico MedRxiv.

Foram analisados 52 pacientes com covid-19 grave internados no sistema de saúde Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos, sem histórico de doenças autoimunes.

Os pesquisadores detectaram autoanticorpos em quase metade dos pacientes. Entre os mais graves, 70% tinham autoanticorpos. Também foi observado um anticorpo contra uma proteína chamada “fator reumatóide” e outras que levam à coagulação do sangue.

A infecção grave por SARS-CoV-2 está ligada à presença de autoanticorpos contra múltiplos alvos. Também pode explicar sintomas persistentes que permanecem meses depois que o vírus já foi embora, ressalta o estudo.

A descoberta pode contribuir para o tratamento da covid-19, pois ajuda a identificar pacientes que possam se beneficiar de tratamentos usados para doenças autoimunes. Lúpus e artrite reumatoide, por exemplo, não têm cura, mas dispõem de tratamentos que reduzem a frequência e a gravidade das crises.

O novo coronavírus é capaz de alterar o sistema imunológico que passa a atacar o próprio corpo, provocando mais danos que o vírus. Normalmente, os linfócitos T são capazes de reconhecer e combater o vírus, mas em doenças autoimunes como o lúpus, em vez disso, elas produzem autoanticorpos que se confundem com o vírus. O estudo afirma que algo semelhante ocorre com a covid-19.

Esses autoanticorpos também seriam responsáveis por sintomas persistentes, que podem permanecer por toda a vida em sobreviventes de covid-19. Essa memória de autoanticorpos ocorre também nas doenças autoimunes, afirma o estudo.

 

Fonte: R7
Faça seu comentário usando o Facebook