Sul de Minas já teve mais de 1.300 aves apreendidas desde o início do ano

Compartilhar

Na região, desde o começo do ano, já foram mais de 1.300 aves apreendidas. Nesta segunda-feira (3), foi realizada a soltura de alguns animais apreendidos pela Polícia Militar do Meio Ambiente em Poços de Caldas. Dezoito pássaros apreendidos na ultima sexta-feira já foram soltos na natureza, sendo que as gaiolas destruídas.

Antes da soltura eles foram examinados no Centro de Zoonoses de Poços de Caldas. As aves foram apreendidas em uma casa na cidade, um homem foi multado em mais de R$ 23 mil.

Das mais de 1.300 aves apreendidas em todo o Sul de Minas desde o começo do ano, a região de Poços de Caldas registrou, apenas em julho, 20 ocorrências deste tipo na Polícia Militar de Meio Ambiente.

A multa para quem é flagrado criando animais de forma irregular pode chegar a mais de R$ 10 mil por animal apreendido.

Nos seis primeiros meses deste ano, a regional da polícia de meio ambiente em Poços de Caldas registrou 438 ocorrências, 10% a mais que no mesmo período do ano passado. As apreensões de pássaros estão entre as ocorrências mais comuns: foram vinte só no último mês.

“São ocorrência corriqueiras, são muito comuns e muitas delas são oriundas de denúncias feitas pela própria população. E a gente faz então o atendimento”, disse Emerson de Araújo Garro Brito, capitão da Polícia de Meio Ambiente.

No Sul de Minas já foram apreendidas mais de 1.300 aves. O capitão Emerson destaca ainda que esse tipo de ocorrência muitas vezes esta ligada a outros crimes.

“Às vezes esses animais são utilizados como moeda de troca. Esses animais são trocados, por exemplo, por armas ou por drogas. Nós temos muitos casos desses, então, várias apreensões já mostraram isso recente. O pessoal foi atrás de uma denúncia de fauna e acabou encontrando laboratórios de tráfico de drogas.

Os pássaros mais apreendidos pela Polícia Militar do Meio Ambiente na região são o trinca-ferro, o pintassilgo e o azulão. O telefone para denúncias anônimas é o 181 ou o (35) 3697-4800.

Fonte: G1

Faça seu comentário usando o Facebook