Vacina para COVID-19 pode ser segura para idosos

Compartilhar

Uma das grandes questões em torno de qualquer nova vacina COVID-19 é: ela protegerá com segurança aqueles com maior risco da doença – os idosos? Agora, os resultados de um teste inicial de fase 1 em 40 adultos com mais de 55 anos sugere que uma vacina, em desenvolvimento pela farmacêutica Moderna, induz uma resposta do sistema imunológico igual à observada em receptores mais jovens.

Da mesma forma, os efeitos colaterais da vacina “foram predominantemente leves ou moderados em gravidade” e incluíram fadiga, calafrios, dor de cabeça ou dor ou desconforto no local da injeção.

O novo estudo se concentrou em uma vacina experimental Moderna chamada mRNA-1273. A vacina de duas doses está em fase final de testes e a Moderna disse que espera ter a vacina pronta para uso generalizado até o final do ano. No entanto, “entre os diferentes fatores de risco, a idade avançada foi reconhecida desde o início como associada a resultados piores. Por isso, os médicos estão preocupados de que idosos não apresentem resposta similar aos jovens à vacina.

Pesquisadores da Emory University, nos Estados Unidos, analisou especificamente a resposta imunológica e os dados de efeitos colaterais de 40 pacientes, com 56 anos ou mais, inscritos no ensaio mRNA-1273. Eles observaram um rápido aumento nos anticorpos do sistema imunológico específicos do coronavírus nessas pessoas mais velhas logo após terem recebido a primeira injeção. Esses números aumentaram ainda mais depois que a segunda dose foi administrada.

Mais importante ainda, segundo os pesquisadores, é que as respostas de anticorpos no grupo com mais de 55 anos pareciam ser semelhantes às previamente relatadas entre os receptores da vacina entre as idades de 18 e 55. Outros marcadores do sistema imunológico, como os níveis de células T e proteínas chamadas citocinas, também pareceram “fortes” em resposta à vacina.

Para os pesquisadores, embora os dados sejam limitados, este estudo de fase 1 demonstra segurança em adultos mais velhos, que é uma importante população-alvo.

Fonte: New England Journal of Medicine.

Faça seu comentário usando o Facebook