Vacinação contra febre aftosa atinge 99,8% do rebanho

Compartilhar

A vacina­ção contra a aftosa atingiu 99,83% do rebanho de bovi­nos e bubalinos da região. De acordo com informa­ções do Sindicato dos Pro­dutores Rurais de Passos (SinRural), quase todos os 119.503 animais receberam a primeira dose da vacina contra a doença. O prazo para comprovar a primeira etapa foi encerrado em 30 de junho.

Todos os bovinos e bubalinos, com até dois anos de vida, devem receber a imunização. Em relação às 1.109 propriedades da região, 97,93% estão em dia com os registros.

Devido ao atual cená­rio de pandemia do novo coronavírus, foram esta­belecidas algumas mudanças para a campanha de 2020, possibilitando que as doses fossem vendidas por meios remotos, com entregas realizadas direta­mente nas propriedades.

Além disso, as declarações de imunização também po­diam ser apresentadas nos canais digitais, respeitando as datas.

A febre aftosa é uma in­fecção aguda que, além da febre, causa aftas na boca e nas patas dos animais. A doença pode ser dissemina­da pelo ar ou pelo fluído das vesículas, do sangue, da saliva, do leite e das fezes, o que aumenta o risco de contágio entre um rebanho e outro.

Em poucos casos, os animais vão a óbito em de­corrência da febre aftosa, no entanto, existem grandes efeitos comerciais causados pela presença da infecção. Por conta do alto po­der de propagação do vírus, os países importadores de mercadorias brasileiras não costumam comprar de pro­dutores que não vacinaram os animais ou que vivem em locais que apresentam re­gistros da doença.

Os pecuaristas que não vacinaram os rebanhos es­tarão sujeitos ao pagamen­to de 25 Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais (Ufemgs) por animal não medicado, o equivalente a R$ 92,79. Ademais, poderão ter suas propriedades rurais interditadas, impedindo que o gado seja comerciali­zado. Para quem ainda não está em dia com os docu­mentos, o Núcleo de Defesa Agropecuária deve emitir uma autorização para per­mitir que o rebanho receba a vacina fora do período de campanha.

 

Fonte: Folha da Manhã

 

Faça seu comentário usando o Facebook