Search
Close this search box.

Cigarro será proibido em todas as prisões de Minas

0
COMPARTILHAMENTOS
496
VISUALIZAÇÕES

A entrada de cigarros será terminantemente proibida em unidades prisionais de Minas. Ainda em julho, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) vai implantar a medida nas unidades menores e nos Centros de Remanejamento, os Ceresp. Até o fim de agosto, a norma vai vigorar também nas instituições de médio e grande porte, atingindo uma população carcerária de 60 mil pessoas.

📱Participe do Canal Portal Onda Sul no WhatsApp

A justificativa do Estado é preservar “a saúde e a segurança”. Na primeira esfera, alega, a proibição garantirá “um ambiente livre das toxinas contidas nos cigarros” para os detentos e os servidores que trabalham nesses locais. Na segunda, pretende eliminar fósforos e isqueiros, que poderiam ser usados para atear fogo em colchões e tecidos, e também a utilização de cigarros como moeda de troca dentro do sistema prisional e como veículo para outras drogas, como a K.

A proibição foi comunicada por memorando aos diretores de polícia penal na última quinta-feira (4). Perguntada se os internos já haviam sido notificados sobre a mudança, a Sejusp afirmou em nota que “as informações aos custodiados serão repassadas durante a implantação da medida”.
Não é difícil supor que a notícia vá cair como uma bomba nas unidades. Pesquisadora do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp) da UFMG, Isabela Araújo explica que o cigarro tem um valor importante no sistema prisional. “É uma moeda de troca informal, uma alternativa criada pela própria população prisional para ter acesso a itens básicos, como sabonete”, diz.

Por isso, é possível que a nova regra, ainda mais se implantada de forma abrupta, desencadeie protestos. O próprio Estado lida com essa possibilidade, visto que já orientou os diretores a traçarem “planejamentos logísticos” para “deslocamentos de grupamentos, caso seja necessário, a fim de garantir a ordem e segurança em todas as Unidades Prisionais”.

“O cigarro pode ser moeda de troca, mas também um vício, uma maneira de aliviar o estresse. Fumar ali é uma prática do cotidiano, então a proibição de supetão pode causar reações. Unidades prisionais já são locais de tensão. É colocar mais pressão numa panela já efervescente”, avalia a especialista.

Doutoranda em Sociologia, ela diz que embora exista a justificativa da saúde, é preciso analisar se a proibição será feita em cima de uma base realista, que considere, por exemplo, a necessidade de suporte para esse público fumante – que pode nem ter sido quantificado. “Aqui fora, com o apoio da família, da rede de saúde, deixar o cigarro já é um longo processo, não acontece de um dia para o outro. Imagine numa situação de imposição”, pondera.

Em nota, a Sejusp informou que a Diretoria de Saúde do Departamento Penitenciário “acompanhará de perto o andamento da medida para garantir àqueles que venham a sofrer abstinência o acompanhamento junto ao Programa Nacional de Controle do Tabagismo, bem como a assistência dos profissionais de saúde e psicossocial que atuam nas unidades prisionais do estado”. Não respondeu, porém, se os municípios já foram avisados sobre um eventual aumento na demanda por adesivos, pastilhas, gomas de mascar e outras terapias para quem quer se livrar do tabagismo.

Fonte: Hoje em Dia

Receba as notícias através do grupo oficial do jornalismo da Onda Sul no seu WhatsApp. Não se preocupe, somente nossos administradores poderão fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequados. Clique no link –> https://chat.whatsapp.com/G42MsF9LiiPILoe68hzHB4

×