Search
Close this search box.

Rodrigo Pacheco e Tadeu Leite debatem resolução da dívida de Minas com a União

0
COMPARTILHAMENTOS
134
VISUALIZAÇÕES

Rodrigo Pacheco (PSD), presidente do Congresso Nacional, se reuniu com Tadeu Martins Leite (MDB), o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), para debater a proposta de renegociação da dívida de Minas com a União, junto de lideranças dos partidos no Legislativo. O encontro, realizado na sede da ALMG, também contou com a participação do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e do deputado federal Odair Cunha (PT).

📱Participe do Canal Portal Onda Sul no WhatsApp

Pacheco ressaltou como a dívida pode prejudicar o estado: “A situação fiscal do estado e esse endividamento acumulado ao longo dos anos compromete o nosso desenvolvimento, a nossa capacidade de desenvolvimento e Minas acaba ficando muito pra trás. A falta desses investimentos que acabam desaguando em deficiências estruturais em estradas, ferrovias, na educação, na saúde e em ambientes de desenvolvimento de negócios, porque o estado não tem a capacidade de investir”, afirmou.

Segundo o senador, a dívida mineira ultrapassa a casa dos R$160 bilhões e teve dois agravantes para que chegasse neste valor: os juros incidentes e o não pagamento à União por 6 anos, em função de uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) . Para ele, o Regime de Recuperação Fiscal não apresenta uma solução do problema financeiro de Minas Gerais.

Durante o encontro, Pacheco explicou o funcionamento da proposta de renegociação da dívida dos estados com a União e afirmou que nesta hipótese haveria a criação de um fundo e de métodos de abatimento dos índices de correção, com o objetivo de garantir que não haja cobrança de juros sobre o saldo devedor.

“Neste projeto, a União concorda em não receber absolutamente nada de juros dessa dívida. Isso será feito garantindo o perdão de parte desses juros com a entrega de ativos como forma de pagamento e, em segundo lugar, se o Estado demonstrar que está investindo em educação, segurança pública e infraestrutura, a título de investimento e não de custeio, o Estado poderá então, ao invés de pagar os juros, reverter em investimentos”, disse Rodrigo Pacheco.

Ainda na proposta do governo federal, o fundo citado anteriormente será abastecido com 1% do valor dos juros pagos pelos estados endividados e posteriormente será revestido para investimentos em todo o Brasil.

Por fim, o presidente do Senado disse que a pretensão é que o projeto seja concretizado na próxima semana. “No final da contas, é o que eu disse: caso se concretize e o governo concorde, será a compreensão que o governo federal está permitindo que nada desses juros do estados endividados vá para a União e sim para os estados federados, quanto os endividados, quanto os não endividados. Me parece ser um programa muito sustentado e muito bem acabado para a solução definitiva do problema e, evidentemente, cabe a cada estado ter capacidade de gestão”, acrescentou Rodrigo Pacheco.

O presidente da ALMG, deputado Tadeu Leite, validou o projeto de resolução da dívida. “Todos os 77 deputados da Assembleia de Minas estão unidos a favor desta discussão, especialmente a favor do estado”, finalizou.

Receba as notícias através do grupo oficial do jornalismo da Onda Sul no seu WhatsApp. Não se preocupe, somente nossos administradores poderão fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequados. Clique no link –> https://chat.whatsapp.com/G42MsF9LiiPILoe68hzHB4

×